O que é a Mordomia Cristã

O que é a Mordomia Cristã
Lição 1 – 07/06/2019
Texto Áureo: “E disse o Senhor: Qual é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor pôs sobre os seus servos, para lhes dar a tempo a ração? Bem-aventurado aquele servo a quem o senhor, quando vier, achar fazendo assim.” (Lc 12.42,43)
Leitura Bíblica em Classe: Lucas 12.42-48

Introdução: Mordomia cristã significa que Deus nos constituiu como mordomos de toda a sua criação. Confiou aos homens o domínio de suas obras. Em decorrência disso, Ele requer que cada um exerça a mordomia com fidelidade e prudência, pois um dia haveremos de prestar-lhe contas por tudo que fizemos. Devemos entender que mordomia é administrar tudo que o Senhor colocou em nossas mãos. Nesse texto a ser estudado, ele envolve a mordomia de Ministros que tem a reponsabilidade de cuidar de almas que fazem parte do Reino de Deus. Jesus deu instruções aos seus discípulos, como principalmente aos que seriam seus apóstolos advertindo-os sobre a responsabilidade que teriam como mordomos na continuidade da Sua obra depois que ascendesse ao céu. Jesus os conscientizou para não pensarem de que pelo fato de terem caminhado com Ele em Seu ministério salvífico estariam imunes de algum juízo em suas ações. O serviço de mordomia cristão é condicional a como é exercido, pois se não for como o Senhor aguarda que seja feito, o juízo será severo e sem misericórdia.

  1. Todo ministro um dia prestará conta a Cristo pelo seu serviço de mordomia.
    Lucas 12.42 – E disse o Senhor: O qual é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor pôs sobre os seus servos, para lhes dar a tempo a ração? Lucas 12.43 – Bem-aventurado aquele servo a quem o senhor, quando vier, achar fazendo assim. Lucas 12.44 – Em verdade vos digo que sobre todos os seus bens o porá.
    O cristão que quer ser um ministro do evangelho, primeiramente deve procurar saber, se Cristo o quer como ministro. Em primeiro lugar para ser um ministro é preciso ter chamada de Cristo para esse ofício. Caso tenha essa chamada, não pode se antecipar, pois não é pelo fato de ter uma chamada, que já pode exercer esse ofício. Quando Cristo chamou os doze discípulos, Ele os preparou teologicamente para darem sequencia ao seu ministério salvífico após retornar as dimensões celestiais. Ele os preparou teologicamente durante os três anos da Sua missão para que com conhecimento e sabedoria da palavra estivem aprovados para exercer a responsabilidade a qual lhes foi incumbida. Significa que para exercer esse ofício é necessário ter o preparo teológico no sentido de estar capacitado para cuidar das ovelhas de Cristo. Esse ofício não é para qualquer um, porém tem muitos aventureiros que insistem nisso, mesmo não tendo chamada, ou preparo para serem ministros, ignorando o risco que correm. (Atos 20:28 Concluindo, tende cuidado de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos estabeleceu como epíscopos para pastoreardes a Igreja de Deus, que Ele comprou com o sangue do seu Filho Unigênito).
  2. Todo ministro espancador de ovelhas não pode ascender aos lugares celestiais.
    Lucas 12.45 – Mas, se aquele servo disser em seu coração: 0 meu senhor tarda em vir, e começar a espancar os criados e criadas, e a comer, e a beber, e a embriagar-se, Lucas 12.46 – virá o Senhor daquele servo no dia em que o não espera e numa hora que ele não sabe, e separá-lo-á, e lhe dará a sua parte com os infiéis.
    Não haverá atenuante para aquele que mesmo tendo chamada e preparo teológico e que no decorrer do seu ministério venha a ter mudanças de comportamento, não condizentes com a palavra de Deus. Tem ministros que com o tempo vindo o seu ministério a ser bem sucedido e com muita prosperidade, o sucesso lhe sobe a cabeça e passa a focar mais os rendimentos recolhidos. Com isso se achando bem sucedido aos seus próprios olhos começa a ter uma cauterização mental se esquecendo que Deus quer fidelidade dos seus ministros. Nessa condição ele já não se preocupa mais com a sua vida espiritual que pode se finalizar pela morte, ou pela vinda do Senhor na ocasião do arrebatamento. O bom cuidado com os congregados depende do relacionamento que o ministro tem com o Senhor e, quando isso está prejudicado é certo que os congregados sofrerão os resultados da falta de espiritualidade e compromisso com a obra desse ministro. Os ministros fiéis serão separados dos infiéis; os fiéis serão recompensados, mas os ministros infiéis perderão a sua recompensa e poderá ir para o juízo final. A salvação eterna é somente para os fiéis e, não para os infiéis. (Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho. 1 Pedro 5:2,3).
  3. Todo ministro que conhece a palavra, mas não é fiel a ela sofrerá rigoroso juízo.
    Lucas 12.47 – E o servo que soube a vontade do seu senhor e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites. Lucas 12.48 Mas o que a não soube e fez coisas dignas de açoites com poucos açoites será castigado. E a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá, e ao que muito se lhe confiou, muito mais se lhe pedirá.
    As obras pecaminosas e as obras produtivas aos olhos do Senhor, em suas realizações serão devidamente contempladas com galardões, ou com castigos severos. A quem muito é dado, muito será requerido e o ministro que age com dolo em relação aos seus congregados, não ficará impune pelo fato de ser um ministro, muito pelo contrário, pois o juízo é maior lembrando que Deus não tem o culpado por inocente. O ministro que pouco recebeu, não será justificado pela sua ignorância ou negligência da sua responsabilidade, porém o seu castigo será mais suave, mas a sua salvação foi perdida e, poucos açoites indicam graus de castigo no juízo final. Quanto aos que receberam mais conhecimento e sabendo conscientemente da sua responsabilidade será castigado com muitos açoites, significando que perdeu a sua salvação e no juízo final o seu grau de castigo será maior. (Mateus 7.22,23 Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade).
  4. Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel